Donnie Darko: Esquizofrênico ou Herói? - Melkberg - psicologia, arte & cultura - Donnie - tempo - mundo - Donnie Darko - herói - Frank - realidade - Gretchen - viagem - filme - morte - coelho - universo - Roberta Sparrow - fantasia - estrangeiro

Donnie Darko: Esquizofrênico ou Herói?

Lançado em 2001, Donnie Darko é uma ficção científica que fala sobre viagens no tempo, destino, livre arbítrio e redenção. Escrito e dirigido por Richard Kelly, o filme não chamou tanta a atenção do público, obtendo o devido reconhecimento tardiamente. Com temática relacionada à física quântica, a narrativa se estrutura em uma potencial viagem no tempo em loop, onde o protagonista tenta quebrar esse ciclo vicioso temporal. A história que se passa no ano de 1988 é um tanto complexa, produzindo até hoje diversas teorias e debates, o que fez conquistar o estatuto de filme cult.

Donnie Darko (Jake Gyllenhaal), personagem principal, é um estudante inteligente, melancólico e solitário que causa muita preocupação para sua tradicional família norte-americana. Incompreendido por todos, o adolescente desajustado é submetido à psicoterapia e tratamento psiquiátrico após ser diagnosticado com esquizofrenia paranóide. O que parecia complicado, piora ainda mais quando misteriosamente uma turbina de um boeing 747 cai em cima do seu quarto, todavia por ser sonâmbulo e obedecer à uma estranha voz que o direciona até um campo de golfe, Donnie se salva. Depois do acidente, Frank, um rapaz com uma fantasia cabulosa de coelho aparece somente para Donnie dando a previsão apocalíptica de que o mundo acabará exatamente em 28 dias, 6 horas, 42 minutos e 12 segundos. Desnorteado, o adolescente dá início à uma jornada interior, repleta de alucinações e viagens no tempo com o auxílio de um livro chamado A Filosofia da Viagem no Tempo.

Segundo o livro de Roberta Sparrow, a “vovó morte”, existem dois universos: Primário (a realidade concreta) e Tangente. O universo Tangente é criado a partir do surgimento de um artefato que não deveria estar ali – no caso, a turbina de avião, cuja origem é absolutamente desconhecida. Com isso, abre-se um mundo paralelo em que Donnie escapa da morte por ter ouvido o chamado de Frank em seu sonambulismo, tornando-se um Receptor Vivo. Por acreditar que Frank salvou sua vida, amedrontado Donnie passa a obedecer todas as suas ordens, cometendo uma série de atos de vandalismo aparentemente aleatórios.

Nessa contagem regressiva para o fim do mundo, Donnie tem o poder de salvar a humanidade, sua missão é devolver o artefato (a turbina de avião) ao Universo Primário, destruindo assim o mundo paralelo criado. Conforme A Filosofia da Viagem no Tempo, o Universo Tangente é instável e dura apenas algumas semanas, após isso essa realidade alternativa se transforma num buraco negro capaz de destruir o Universo Primário. Para cumprir a missão dada, Donnie terá o auxílio dos Mortos e Vivos Manipulados, ou seja, os personagens Frank e Gretchen. Além da grande responsabilidade, o Receptor Vivo é alguém assombrado por alucinações e pesadelos, o que faz Donnie parecer um esquizofrênico paranoide.

Na minha opinião a intenção é justamente confundir o espectador utilizando o diagnóstico e os medicamentos psicotrópicos. A todo tempo, o diretor Richard Kelly nos instiga a pensar o que é realidade e o que é fantasia. Quem está mais próximo da loucura? O filme denuncia que vivemos numa cultura de não-questionamento, e ficamos à mercê de nossas próprias interpretações. Até que ponto nós, muitas vezes, nos achando os senhores da razão, também não deliramos ao construir as nossas verdades?

ANÁLISE PSICOLÓGICA

Testemunha de uma grande profecia, responsável pelo tempo e pelo futuro da humanidade, onipotente, em determinada cena, Donnie está em frente ao espelho e Frank surge lhe dizendo “Eu posso fazer qualquer coisa, então, você também pode”. A figura de Frank funciona como alter ego de Donnie, podemos dizer que a imagem sombria do coelho simboliza o inconsciente caótico do protagonista. Acredito que Donnie sentiu prazer ao obedecer todas as ordens de Frank, era como se ele sempre tivesse vontade de praticar todos os delitos que cometeu. Sendo assim, o enigmático coelho anulou o superego (instância responsável pela ética e moral) de Donnie, agindo a favor de suas pulsões mais primitivas e nada civilizadas, isso fica nítido através da expressão facial de satisfação, do sorriso sádico de Donnie Darko.

Enquanto espera pelo fim do mundo, Donnie precisa lidar com diversas experiências, envolvendo: professores autoritários, a descoberta de uma paixão, hormônios à flor da pele, conflito com os pais, e a eterna busca pelo sentido da vida.

O filme permite debater sobre o sistema educacional, as formas autoritárias e democráticas de ensino. Apesar de ser inteligente, Donnie não é um exemplo de bom aluno, ele já foi suspenso por incendiar uma casa abandonada e despreza os alunos mais populares. Sua presença perturba o ambiente escolar, durante uma aula, ele se sente um completo idiota por ser obrigado a ouvir sobre a vaga e inútil teoria do medo e amor, ele não aceita que todas as ações humanas se resumem em dois conceitos, pois limita a amplitude de nossas emoções e motivações, assim ele se revolta contra o ensino da professora Kitty.

fe76d301794bc0e8c80e17798c042ccc1280_donniedarko_pandoracinemadonnie-darkofrank_jpg_1280x720_crop_q85donnie-darko-filmloverss-5Donnie-e-Gretchen-1024x606donnie-darko-drew-barrymore-filmloverss

DESTRUIR PARA RECONSTRUIR

O oposto do autoritarismo de Kitty é a professora Karen, por ser defensora do sentido crítico e do diálogo, ela acaba sendo demitida por ser má influência ao apresentar a obra literária Os Destruidores (1968) de Graham Greene aos alunos, nessa história o desejo por destruição dos personagens é considerado uma forma de criação ao provocar a transformação da realidade. Sendo assim, Donnie praticou vandalismo para concertas coisas ruins e produzir coisas boas. O incêndio (fogo) na casa do pedófilo Jim Cunningham, destruiu o falso moralismo do palestrante motivacional, e a inundação (água) do colégio, purificou duas psiques perturbadas, dando início ao relacionamento de Donnie e Gretchen. Aliás, Donnie nos ensina que mesmo a realidade estando o caos, podemos modificar nosso presente, o beijo entre ele e Gretchen foi assim, ela queria que acontecesse num momento perfeito, mas ocorreu total fora do idealizado, após ela ser hostilizada pelos colegas de classe.

DONNIE DARKO e GRETCHEN ROSS 

Gretchen Ross é a nova aluna do colégio, ela chegou à cidade, fugindo do padrasto violento que tentou matar a sua mãe. Desde o começo, o destino de Gretchen parece estar entrelaçado ao de Donnie, mas a relação acaba tendo um desfecho abrupto. Eles desabafam sobre suas dificuldades e expressam o desejo de voltar no tempo para apagar memórias ruins. Durante uma conversa, Gretchen diz que “Donnie Darko” parece nome de super-herói e o protagonista responde que talvez seja mesmo um, o que é provado no final do filme.

Acho que algumas pessoas nascem com a tragédia no sangue.

Gretchen Ross

DONNIE DARKO e ROBERTA SPARROW

No passado, Roberta Sparrow era freira e desistiu do convento, da vida religiosa para se dedicar à ciência. Na velhice, ela vivia reclusa numa casa cheia de lixo e todos os dias esperava por cartas que nunca chegavam, na verdade, ela aguardava por Donnie, o único que escreveu à ela e sempre se mostrou preocupado com a sua solidão. Ambos personagens estão ligados por terem sua inteligência julgada como uma expressão de loucura e de desajuste social.

Toda criatura neste mundo morre sozinha.

Roberta Sparrow

unnameddonnie-darko_reproducao_twitter_widelg80Donnie-Darko-5donnie-darko-final-1-1612727908dcf2efb2cb5e16f359ac0a43ab3ec8be

ARQUÉTIPO DE ESTRANGEIRO

A partir do arquétipo do Estrangeiro, ou seja, aquele que se sente um estranho dentro de sua própria família e comunidade, e como uma maneira de denunciar a ilusão do princípio de realidade. Essa condição de Estrangeiro de Donnie, provocará nele sucessivos estados alterados de consciência (sonambulismo, alucinações, insights e etc.), tornando evidente que há algo de errado na sociedade (a opressão escolar, a mediocridade sufocante da vida, a hipocrisia do autor best seller de autoajuda) e em sua realidade.

Seguindo a linha de pensamento da psicologia junguiana, as viagens no tempo de Donnie Darko podem ser interpretadas como as expressões simbólicas de um processo de transformação psíquica que todas as pessoas são obrigadas a empreender ao longo da vida, chamado por Jung de processo de individualização ou viagem do herói.

A viagem do herói costuma se iniciar com um chamado ou uma necessidade de abandonar o mundo ordinário e conhecido, para conseguir empregar aspectos e potenciais ainda não vividos. Os heróis passam por períodos de incerteza, de colapso das formas sociais, de crises religiosas ou políticas. Assim, ele se sente forçado a fazer uma viagem de transformação quando se apresentam circunstâncias que acabam sendo sufocantes, ou também quando se sentem estagnados, desejando se aventurar.

Antes desse processo de transformação se iniciar, ocorrem casualidades aparentemente sem sentido que, pouco a pouco, nos ajudam a escolher o nosso destino. Jung chamou essas “coincidências” de sincronicidade, representando a relação existente entre o mundo físico e o mundo psíquico. Para percorrer esse caminho de novas descobertas, é preciso coragem, pois durante a viagem, o herói “morre” em determinadas etapas para renascer em outras.

A condição de estrangeiro, pode ser vista através do desejo jamais alcançado de encontrar um lugar de plenitude e bem-estar. Sentimento que nos motiva a nos auto conhecer e a redescobrir-nos constantemente, busca essa que nunca tem fim, e não existe lugar no mundo que possa nos satisfazer por completo.

DONNIE DARKO, O HERÓI

O heroísmo de Donnie Darko sai totalmente dos padrões de um herói. Ele tinha a coragem de expor suas opiniões que contrariavam seus professores, possuía ideias contestadoras e não aprovava o pensamento na forma incontestável e linear. Ao se sentir ameaçado diante daquilo que era incontrolável como a morte, ele expressava um comportamento agressivo através de insultos e distanciamento da realidade, estando sempre sob efeito de medicamentos, o que parecia não ser benéfico.

Em contrapartida, o adolescente apresentava uma postura empática, sempre defendendo as alunas dos “bad boys”. O que Donnie menos tinha medo era de ser julgado, o que indica uma crítica ao mundo real, onde todos se sentem cobrados a serem bem sucedidos e simpáticos, aceitos pela grande maioria. Seguindo o caminho oposto, o adolescente não buscava e nem consumia o tempo com essas preocupações, ele era introvertido, por isso vivia cercado por questões existenciais, reflexões profundas, o que dá sentido ao seu comportamento inquieto e à sua melancolia, utilizando a arte da poesia e da pintura para canalizar sua energia psíquica.

O show de talentos do colégio era visto por Donnie como uma competição patética, fazendo ele se rebelar contra a vaidade humana, contra o exibicionismo exacerbado em detrimento do intelecto, do estímulo ao raciocínio, o mostrar ao invés do pensar. O filme critica o estilo de vida norte-americano, regado de hipocrisia e com preocupações a cerca da aparência, da felicidade e do sucesso a todo custo.

A obra é ambientada nos anos 80, todas as letras das músicas foram escolhidas sistematicamente para relacionarem-se com as cenas, criando uma contextualização interessante e notável na narrativa. A canção final do filme, Mad World, expressa que a realidade está próxima da loucura, pois a maior parte das pessoas, leva a vida no automático, de forma banal apenas com planos materiais, numa existência sem sentido. E quem decide ir contra o sistema, quem tem a audácia de chacoalhar os pensamentos dos outros, de questionar o porquê as pessoas fazem o que fazem, são considerados malucos, esquisitos e paranoicos.

Donnie: Por que você veste essa estúpida fantasia de coelho?

Frank: Por que você veste essa estúpida fantasia de homem?

Guiado pelas visões e ordens de Frank e destruído com a morte da namorada, podemos considerar Donnie Darko um herói, pois se ele não cometesse todos os vandalismos e não voltasse no tempo para se auto-sacrificar, todos morreriam no lugar dele, incluindo o coelho cabuloso, isso mesmo, Frank era real, mas estava prestes a morrer e enquanto isso, ele conversava com o Donnie através de uma quarta dimensão. Donnie aceitou e abraçou a sua própria destruição, reconstruindo a vida de todos, o que faz dele um herói.

Após o turbulento Halloween, um portal se abre e Donnie Darko consegue andar para trás no tempo, ele tinha o poder de alterar o seu próprio destino, mas optou por voltar a cena da cama, solitário, ele esboça um sorriso e espera pela morte, o herói por fim restaura a ordem.

Às vezes tenho medo do que você possa me dizer. Às vezes tenho medo que você me diga que isto não é uma obra de ficção. Eu só posso esperar que as respostas venham até mim durante o meu sono. Eu só espero que quando o mundo acabar, eu possa dar um suspiro de alívio porque vai haver muita coisa para se ir atrás.

Donnie Darko

Tem interesse em fazer Psicoterapia?

Aqui no Melkberg existe um espaço próprio para isso. Clique no link abaixo para agendar a sua sessão de psicoterapia online que melhor se adeque ao seu horário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s