Análise Psicológica: O Velho e o Mar, de Ernest Hemingway - Melkberg - psicologia, arte & cultura - velho - mar - Santiago - peixe - tubarões - velho pescador - o velho e o mar - vida - pescador - Manolin - Hemingway - solidão - autor - Ernest Hemingway

Análise Psicológica: O Velho e o Mar, de Ernest Hemingway

Depois de uma fase de sucesso com o lançamento de Por Quem os Sinos Dobram, o autor norte-americano, Ernest Hemingway, estava passando por um período incerto vivendo em Cuba. À procura de uma nova inspiração que trouxesse novamente a antiga fase de prestígio literário de dez anos atrás, Hemingway criou o personagem Santiago que, assim como o autor, morava em Cuba e era amante da pescaria.

O autor entregou a seu editor os originais do livro com um bilhete em que dizia: Eu sei que isso é o melhor que posso escrever na minha vida toda. A novela O Velho e O Marpublicada em 1952, se consagrou como uma das maiores obras-primas de Hemingway, rendendo um Pulitzer em 1953 e o prêmio Nobel da Literatura em 1954. O livro foi a última grande obra do autor.

Ele era um velho que pescava sozinho em seu barco, na Gulf Stream. Havia oitenta e quatro dias que não apanhava nenhum peixe. Nos primeiros quarenta, levara em sua companhia um garoto para auxiliá-lo. Depois disso, os pais do garoto, convencidos de que o velho se tornara salao, isto é, um azarento da pior espécie, puseram o filho para trabalhar noutro barco, que trouxera três bons peixes em apenas uma semana. O garoto ficava triste ao ver o velho regressar todos os dias com a embarcação vazia e ia sempre ajudá-lo a carregar os rolos de linha, ou o gancho e o arpão, ou ainda a vela que estava enrolada à volta do mastro. A vela fora remendada em vários pontos com velhos sacos de farinha e, assim enrolada, parecia a bandeira de uma derrota permanente.

Numa maré de azar, sem êxito na pesca, depois de 84 dias, o velho se põe sozinho a embarcar em alto mar, com o objetivo de mudar seu destino. Enquanto está à espera de um peixe que fisgue sua isca, solitário, ele conversa consigo mesmo, narrando seus pensamentos, suas fraquezas e esperanças para não ser levado pelas dores do passado. Um homem de fé, humilde e paciente, a fim de manter sua perseverança, ele também conversa com as aves e com os peixes. Após longos dias monótonos em seu barco, Santiago percebe que pescou um peixe diferente, talvez o maior de todos que ele já viu, o que ele não imaginou é que o breve momento de glória desencadearia um processo de muito sofrimento.

As primeiras estrelas mostravam-se no céu. Não sabia bem os nomes das estrelas, mas as conhecia e sabia que dentro de pouco tempo apareceriam todas e teria o conforto da companhia daquelas amigas tão distantes. 

Na manhã do 85º dia, a persistente luta pela lucidez, contra o cansaço, resistindo sob a força das ondas, do frio, da fome e das dores que Santiago sentiu para conseguir pegar o gigante peixe espadarte de quase 700 quilos, atiçou os tubarões que abocanharam bravamente a presa, sobrando apenas o esqueleto do animal, mas isso não fez de Santiago um perdedor, ao contrário, os pescadores da vila e o garoto Manolin enxergaram o velho como um herói, com muita coragem, ele enfrentou diversos tubarões, sozinho em seu pequeno barco, Santiago foi resiliente e não pensou em desistir em nenhum momento. Para o velho pescador, um homem pode ser destruído, mas nunca derrotado.

wp-1653154148007

O Velho e o Mar pode ser considerado uma fábula ou alusão aos grandes heróis e mitos que colocam o ser humano em confronto com as forças naturais, opressivamente superiores. Santiago aceitou o que aconteceu, não se sentiu um fracassado e apesar das dores, o velho não admitia o menor sofrimento, mergulhado numa solidão orgulhosa. O leitor desta história, sentirá aflição e será testemunha do amor do velho pescador pelo peixe, pelo mar e pelo garoto Manolin.

Pessoas da minha idade nunca deviam estar sozinhas.

Durante toda a narrativa, o velho se coloca no lugar dos animais que compartilhavam do mesmo mar, embora deles viesse sua subsistência. E assim como o gigante peixe que pescara, o velho ficou à beira de ser devorado por tubarões. Nesta vida nada vem fácil, a obra O Velho e o Mar é o retrato da constante luta entre a natureza e o homem, a luta pela sobrevivência.

O homem não vale lá muito comparado aos grandes pássaros e animais. Eu por mim gostaria muito mais de ser aquele peixe lá embaixo na escuridão do mar.

Levando uma vida simples e digna, Santiago não pensava em deixar de ser um pescador, aceitando sua atividade como destino, mera continuação da existência que lhe foi imposta. Nesta história, o leitor acompanhará o desgaste físico e psíquico do velho, mediante tamanha força do mar, do peixe espadarte e da claridade dos raios solares que refletiam por todos os lados além da água. Os olhos do velho eram claros, da cor do mar e brilharam ao enxergar o violeta nas barbatanas de um peixe colossal que jamais esperou pescar.

Ernest Hemingway finaliza sua novela com o velho sendo cuidado pelo garoto. Em sono profundo, Santiago sonha com o passado, com a África e os leões, cuja natureza vigorosa do animal, tem muita força para dar conta de suas necessidades. Segundo a psicologia, os sonhos podem ser considerados a expressão da psique e também reparadores do equilíbrio mental, pois trazem todo o prazer e vitalidade ausentes no mundo consciente para a experiência onírica.

O mar representa a imensidão de um mundo que pouco conhecemos, o inconsciente, o desconhecido que nos chama para ser encarado. Perto de sua grandiosidade, somos muito pequenos e frágeis, entretanto precisamos criar coragem. A solidão de Santiago no mar é um profundo mergulho no inconsciente, ele mesmo desejava ser como um peixe que nada até a escuridão das águas do oceano. Manolin passou os dias observando o horizonte, esperando o seu mestre. No fim, o garoto pôde tratar das dores físicas e da alma do seu herói. Segundo Carl Jung, o herói é aquele que desce para depois subir.

wp-1653154147866

As aves têm uma vida mais dura do que a nossa, excetuando as aves de rapina e as mais fortes. Por que existiriam aves tão delicadas e tão frágeis, como as andorinhas-do-mar, se o mar pode ser tão violento e cruel? O mar é generoso e belo. Mas pode tornar-se tão cruel e tão rapidamente, que aves assim, que voam mergulhando no mar e caçando com as suas fracas e tristes vozes, são demasiado frágeis para enfrentá-lo.

Mesmo impedido de pescar com o amigo, o garoto nunca deixou de visitar e de ajudar o velho pescador. Manolin via Santiago como um mentor, que o ensinou a pescar além de proporcionar muitos outros aprendizados, o que fez Manolin se aproximar da individualidade, nas horas em que esteve ausente da família.

A última obra de Ernest Hemingway foi influenciada por sua própria vivência do pós-guerra, carregada de solidão. O enredo se encerra com uma experiência forte de frustração, pois nem todo esforço e dedicação de Santiago foram suficientes para ele conquistar seu objetivo. O que fica é o processo de sua trajetória, a partir disso Santiago conhece melhor os seus limites e marca na memória a grandeza do belo peixe espadarte.

É necessário sempre buscar o caminho da transcendência. Como o velho pescador, não podemos abandonar o barco que dá sentido à nossa existência, diante disso em qualquer experiência podemos extrair um valor. A vida está aí para ser vivida todos os dias, a cada nascer do sol, um dia a menos temos em nossa vida.

– Você é o meu despertador – disse o garoto.

– E o meu é a idade – replicou o velho. – Por que será que os velhos acordam sempre tão cedo? Será para terem um dia mais comprido?

E tentamos controlar nossa vida, quando fazemos planos e criamos expectativas em relação ao futuro, todavia nem sempre recebemos aquilo que esperamos. Não há outro caminho, temos que aceitar a complexidade da vida e saber que por mais que lutemos, algumas vezes sem explicação tubarões surgem inesperadamente e levam o nosso peixe.

Agora não é o momento de pensar naquilo que você não tem. Pense antes no que pode fazer com aquilo que tem.

O velho pode representar a fragilidade do ser humano, pois os anos lhe roubam o vigor, a saúde vai ficando debilitada, os amigos vão partindo, a percepção de finitude se torna mais próxima e junto vêm os momentos de angústia e solidão. Por outro lado, o velho também revela sua alma sonhadora, a mesma que nos mantêm vivos todos os dias e que espera sempre algo de bom na vida, que nos move em direção aos nossos desejos.

Tudo o que nele existia era velho, com exceção dos olhos, que eram da cor do mar, alegres e indomáveis.

wp-1653154147073

Ficou com vontade de ler?

Encontre aqui o livro O Velho e o Mar, por Ernest Hemingway. Clique abaixo para saber mais detalhes.

7 comentários em “Análise Psicológica: O Velho e o Mar, de Ernest Hemingway”

    1. O conceito de dissonância cognitiva foi inicialmente desenvolvido em 1957 pelo psicólogo norte-americano, Leon Festinger. A dissonância acontece quando existe uma incoerência entre as atitudes ou comportamentos que o sujeito acredita serem certos e o que realmente ele pratica. Suas crenças distintas entram em conflito, gerando um estado de tensão, infelizmente, é difícil o sujeito reconhecer e assumir sua falha antecipadamente, o mais provável é continuar se defendendo a qualquer custo, o que piora ainda mais o estado de angústia, deixando o conflito sem solução.

      Segundo a psicanálise, o sujeito para diminuir ou eliminar a dissonância entre sua autopercepção e seu comportamento, irá acionar o mecanismo de defesa do ego chamado racionalização, se justificando ou usando uma série de argumentos lógicos para diminuir sua culpa, ao dizer frases como: “foi só uma vez”, “hoje não está sendo um dia bom para mim”, “existe uma explicação para isso”. Nesta posição, ele passa a se sentir correto.

      Geralmente no processo de terapia, os psicólogos se focalizam em fazer perguntas que levem o paciente a refletir sobre suas crenças guiando para conclusões mais saudáveis e melhora da conduta, ao invés de expor diretamente as ideias incoerentes e contradições do paciente, que não ajudará e apenas aumentará o grau de estresse. 

      Espero ter esclarecido.

      Curtir

      1. Sim, esclareceu muito. Muito obrigada. Eu não sabia sobre o último parágrafo.
        Eu conheço alguém assim, mas não sei se estou certa se é mesmo um caso de dissonância, porque eu observei a pessoa ser assim nos últimos 4 anos, e antes não me parecia agir assim.
        Achei um tema muito interessante.
        E “engraçado” que ao conversar sobre este assunto com uma outra pessoa, esta reafiu dizendo que o problema é hipocrisia mesmo da pessoa.

        Curtido por 1 pessoa

  1. Boa noite, gostei demais dessa página, e cheguei até ela através de um post seu na crítica do filme REFÚGIO DO MEDO, estou estudando um personagem desse filme que o Silas, poderia me ajudar falando sobre a qual psicopatologia ele se acomete nesse filme ? E diante desse personagem qual seria o seu caso clínico ?

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi, Cidállia! Obrigada!! Fico agradecida pelo reconhecimento do meu trabalho. Poxa, eu gostaria de ajudar, mas assisti a esse filme há 4 anos atrás, lembro vagamente dos personagens e atualmente estou com pouco tempo livro, inclusive, tenho escrito bem menos no blog por conta disso. Conto com sua compreensão.

      Curtir

Deixe uma resposta para Cidállia de Castro Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s