Livro: O Jardim Secreto, de Frances Hodgson Burnett - blog de psicologia Melkberg - o jardim secreto - jardim secreto - livro - Frances Hodgson Burnett - Mary - Colin - Dickon

Livro: O Jardim Secreto, de Frances Hodgson Burnett

Desde 1911 (ano de publicação) O Jardim Secreto já ganhou várias adaptações para teatro, TV e cinema. Acredito que muitos de vocês conheçam essa história. Meu primeiro contato foi através do filme que adorava assistir quando criança. Poucos meses atrás tive a oportunidade de finalmente ler o livro e me surpreendi com esse clássico da literatura inglesa infantojuvenil, minha experiência literária foi muito agradável e inspiradora, o que me fez entender toda a magia que há mais de um século encanta leitores de diversas faixas etárias.

Frances Hodgson Burnett

Frances Hodgson Burnett

Ao ler a biografia de Frances Hodgson Burnett, tive a impressão que a autora inglesa colocou um pouco de si em cada um dos três personagens (Mary, Colin e Dickon) do livro O Jardim Secreto. Essa ligação entre eles se deve ao sentimento de tristeza. Apesar de ter sido bem sucedida no meio literário, Frances Hodgson Burnett passou por momentos bem complicados desde novinha. No ano de 1853 seu pai morreu após sofrer um acidente vascular cerebral, ela tinha apenas 4 anos e sua família passou por problemas financeiros, mudando-se para periferia de Manchester. Na casa onde se abrigaram havia um jardim murado, especula-se que esse foi o primeiro jardim que marcou a vida da escritora.

Aos 18 anos, Frances Hodgson Burnett escrevia contos compulsivamente para uma revista, a intenção era mudar a realidade financeira da família e assim deu início a carreira literária, dois anos depois ela alcançou seu objetivo. Quando já casada e mãe de dois meninos, seu filho mais velho, Lionel, morreu de tuberculose. Em depressão buscando o consolo na fé, ela abandonou o catolicismo e se aproximou da Ciência Cristã e do espiritualismo. Oito anos após a perda de Lionel, em 1898, ela se divorciou de seu marido Swan Burnett, e se mudou com o filho Vivian para uma mansão rural em Kent, Great Maytham Hall, a nova moradia foi a maior fonte de inspiração para O Jardim Secreto. Já no segundo casamento, em um relacionamento conturbado, ela se separou e sofreu um colapso físico e psicológico, internando-se num sanatório.

Com essa breve biografia de Frances Hodgson Burnett, mostrarei a relação da criadora com suas criaturas (Mary, Colin e Dickon). Assim como a escritora, as três crianças possuíam uma realidade triste e fizeram de seus dramas uma história de superação. Mas, antes de tudo, vou contar um pouco sobre o livro…

Livro: O Jardim Secreto

O romance se inicia na Índia, onde a protagonista principal Mary Lennox, uma menina (com 10 anos) mimada de origem inglesa vive rodeada de criados, seus pais não lhe davam atenção, não eram afetuosos com a filha. Após uma epidemia de cólera, eles morrem e a menina fica órfã, então ela é levada para morar com seu tio Archibald Craven na sombria e majestosa mansão Misselthwaite, em Yorkshire, Inglaterra. Deprimido desde a morte de sua esposa, Craven está sempre viajando, fugindo do passado. Sem ninguém com quem conversar e brincar, Mary tenta se divertir usando sua imaginação ao explorar a propriedade, até que descobre um segredo incrível: o deslumbrante jardim de sua falecida tia, trancado e abandonado.

Em um dos cem quartos da mansão, dia após dia vivendo preso numa cama como um inválido se encontra o primo Colin, um pequeno lorde, deprimido e também mimado. Do lado de fora, no único jardim trancado, Mary desenvolverá a amizade com Dickon, um menino que conversa com as plantas e animais, ele que ajudará ela a replantar o jardim. O contato com a natureza através do jardim secreto proporciona uma transformação nas crianças e o perfume das flores exalam empatia. Todos que vivem e trabalham na mansão Misselthwaite terão suas realidades transformadas de algum modo após a descoberta e reabertura do Jardim Secreto.

Mary, Colin e Dickon

Como disse anteriormente, nas três crianças existe um pouco de Frances Hodgson Burnett. Os primos Mary e Colin são órfãos, ela de pai e mãe, e ele de mãe. Ambos apresentam aparência de doentes, mas não há nada de errado com a saúde física, na verdade o que falta é afeto, carinho e atenção. Tudo isso será modificado de forma mágica depois que descobrirem O Jardim Secreto. A mudança de comportamento e percepção dos primos será proporcionada também pela amizade com o menino Dickon que desde novinho já trabalha cuidando dos jardins da mansão Misselthwaite. Embora tenha a mesma idade de Mary e Colin, Dickon pertence à uma família pobre que trabalha para o tio Craven, ele passa a maior parte do tempo observando a natureza e os animas, tem um temperamento muito tranquilo, é afetuoso e nada mimado como as outras crianças.

Frances Hodgson Burnett perdeu seu pai com quatro anos de idade, quando criança morava num bairro pobre e sempre buscou ser independente financeiramente para ajudar a família. Quando seu filho Lionel morreu, ela buscou compreender e aceitar a perda, encontrando sua fé em outra crença, a partir daí ela procurou estar mais próxima da natureza, o que fez sentir-se renovada e curada de sua saúde mental que estava debilitada.

A partir do cultivo do Jardim Secreto, os personagem aprendem e nos ensinam como pequenas atitudes como ter um visão mais positiva sobre a vida e ver graça em coisas aparentemente simples, pode ser poderoso e mágico, modificando nossa mente e corpo e auxiliando a alcançar aquilo que desejamos.

Mary e Colin possuíam um temperamento muito forte e não conseguiam se relacionar com ninguém. Mary tinha uma expressão emburrada, só vestia roupas pretas e andava como uma aparição. Colin vivia envergonhado, deprimido e com medo acreditando que possuía uma deformidade e que morreria precocemente. Ao deixar de aceitar pensamentos e atitudes negativas, todos se beneficiaram (as crianças e os adultos), o meio foi transformado e transformou quem cuidava do jardim.

Frances Hodgson Burnett descreve cheiros, paisagens e texturas. Ler esse livro é também uma experiência sensorial além de encantadora, consegui imaginar O Jardim Secreto com facilidade. Existem outros personagens como o jardineiro Ben Weatherstaff, Martha e a Sra. Sowerby que me cativaram cada um com sua personalidade. O sotaque e a vida campestre transmitem tranquilidade e leveza ao narrar simples prazeres como as receitas caseiras da Sra. Sowerby, os passeios pelas charnecas que as crianças da região faziam, a passagem das estações do ano e as conversas com o pisco (passarinho). Essa é a magia do Jardim Secreto.

Uma das coisas que as pessoas começaram a descobrir no último século é que os pensamentos – meros pensamentos – são tão poderosos quanto baterias elétricas, e podem ser tão benéficos quanto a luz do sol, ou tão nocivos quanto um veneno. Permitir que um pensamento triste ou sombrio entre na cabeça é tão perigoso quanto deixar o germe da escarlatina penetrar no corpo. Se a gente o deixa ficar depois que ele entra, corre o risco de nunca mais se livrar dele pelo resto da vida. .

Coisas muito mais surpreendentes podem acontecer a quem, desafiado ou desencorajado por um pensamento ruim, consegue expulsá-lo, colocando em seu lugar um pensamento agradável, obstinado e corajoso. Duas coisas não podem ocupar o mesmo lugar no espaço.

Onde se cultiva uma rosa.

Não crescem cardos.

 

Aquarela feita por Isabela Campos – ela.B

Ficou com vontade de ler?

Encontre aqui o clássico O Jardim Secreto, de Frances Hodgson Burnett. Comprando o livro com meu link você ajuda o Melkberg.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s